Veredores de Serra Talhada cedem a pressão popular e pedem que prefeito vete projeto que eles mesmos aprovaram para aumento dos próprios salários

O movimento apartidário, ACORDA SERRA TALHADA, composto estudantes, profissionais liberais e até mesmo religiosos pressionaram os vereadores a voltarem atrás após aumentarem os próprios em 25%, elevando os vencimentos de R$ 8 mil para R$ 10 mil.

A população havia programado uma mobilização para próxima segunda-feira (19) na Câmara de vereadores. Dessa forma a pressão popular levou a Câmara de Vereadores a emitir uma nota nessa sexta-feira (16) (postada exclusivamente no site do próprio assessor Giovane Sá), onde o presidente da Câmara, o vereador Agenor de Melo Lima anuncia que a Casa vai solicitar formalmente ao prefeito que vete o projeto integralmente. A decisão aconteceu depois de uma reunião interna entre os vereadores.

De acordo com a nota publicada, o salário dos vereadores serão congelados nos atuais valores (R$ 8 mil) até 2020. NOTA CÂMARA MUNICIPAL DE SERRA TALHADA

A Câmara de Vereadores de Serra Talhada-PE, vem informar que após ouvir o clamor público, quanto ao conteúdo do Projeto de Lei Complementar nº 33/2016 que trata sobre o valor dos Subsídios dos ocupantes do cargo do legislativo para o quadriênio 2017/2020, que será formalmente solicitado ao Ex. Senhor Prefeito de Serra Talhada-PE que o referido projeto seja vetado em sua integralidade, conforme deliberado em reunião interna ocorrida em 16/09/2016, às 13h.

Diante do veto, informamos que o subsídio dos ocupantes dos cargos do legislativos para o quadriênio 2017/2020 permanecerá os atuais valores, congelado durante todo o quadriênio 2017/2020, face o exposto o texto Art. 29, IV da Constituição da República Federativa do Brasil.

Agenor de Melo Lima

Presidente