Vereadores discutem que tem mais obras atrasadas em Serra Talhada, estado ou município? Enquanto líder da oposição é questionado sobre interesse de colegas pelas “oncinhas”

O historiador Luiz Ferra Filho fez um resumo da Sessão Legislativa da Câmara de Vereadores de Serra Talhada, da noite desta segunda-feira (20). O primeiro a usar a tribuna foi o vereador José Raimundo, em tom de despedida, ele falou sobre a visita do ministro Fernando Coelho Filho (Minas e Energia), enumerando as verbas que ele destinou para Serra Talhada nesses 16 anos que o vereador mantem apoio a ele. Depois Zé Raimundo falou sobre a ida para a secretaria de Esportes (pasta que reassume), pedindo aos vereadores da casa que mantenham o bom debate, ate porque a Câmara não é um ringue.
O segundo a usar a tribuna foi o vereador Rosimério de Cuca que falou sobre a questão de Varzinha, relatando que fez uma visita ao local com o líder da oposição, Antonio de Antenor. Falou também sobre as indicações dele para o distrito de Cacairinha da Penha. Depois finalizou sobre a polemica fala de Antonio de Antenor, pedindo ele, Antonio, dê os nomes dos vereadores que ele insinuou em entrevista recente que estão querendo apenas “oncinhas”, afirmando que ele estar na Câmara para trabalhar pelo povo e não para ganhar dinheiro.
O terceiro a usar a tribuna foi vereador André Maio que falou sobre o seu requerimento de Titulo de Cidadão ao Pastor Antonio, líder da Igreja Assembleia de Deus Madureira. Depois lamentou pela fala do líder da oposição Antonio de Antenor e pediu que a casa mantenha um debate propositivo, porém, sempre com cobranças quando existir coisas erradas.
O quarto a usar a tribuna foi o vereador Pinheiro Barros que leu um pouco da biografia de Alberto Ferraz Nogueira (da Fazenda Ema, falecido semana passada) e do tio dele, Raimundo Cazuza (da Fazenda São Miguel, falecido semana passada). Depois congratulou o prefeito pelo lançamento ocorrido de manha no sindicato rural para poços artesianos nos assentamentos rurais.
O quinto a usar a tribuna foi o vereador Sinézio Rodrigues que apresentou a moção de pesar e leu a biografia do professor Elry Luiz da Silva (falecido semana passada). Depois falou sobre a homenagem ao ativista cultural Modesto Lopes de Barros (fundador do Centro Dramático do Pajeu) e seus 40 anos de dedicação a cultura do município. No final, congratulou o prefeito Luciano Duque e o secretario de Cultura, Anildomá Wiliames, pelo lançamento da obra do Teatro Municipal.
O sexto a usar a tribuna foi o vereador Antonio de Antenor, que inicialmente falou da questão de Varzinha, dizendo ele que tenta fazer o possível para responder os questionamentos dos demais vereadores e da população local. Depois falou sobre a entrevista, onde admitiu que fez uma fala precipitada e pediu desculpas ao demais vereadores, e disse que não citará nomes por questão de ética e amizade com os demais colegas de bancada. No final, depois de ser aparteado por três vereadores governistas que citaram a obra parada de Varzinha e a entrevista do secretario de Transportes, Sebastiao Oliveira, o vereador Antonio de Antenor revidou questionando também algumas obras paradas do município ao qual a oposicao “nunca deu prazo” para reiniciar.
O sétimo e ultimo a usar a tribuna foi o vereador Manoel Enfermeiro que falou sobre a polêmica entrevista de Antonio de Antenor, dizendo ele que desconhece algum vereador da Câmara que tenham sido eleito na intenção de apenas encher o bolso com dinheiro. Falou também que tem a mãos limpas. Que não deve favor a nenhum deputado e que não tem o rabo preso com ninguém. Disse que na aceita vereador nenhum “fazer média” com pedido de desculpas. No final, Manoel Enfermeiro falou que o único deputado que sempre lhe ajudou foi Fernando Ferro, enumerando algumas verbas alocadas pelo ex-deputado para Serra Talhada.
FALTARAM A SESSÃO:
Alice Conrado
Antonio Rodrigues
Dedinha Inacio
Gilson Pereira
Vera Gama