Serra-talhadense denuncia mal atendimento após dar entrada no Hospam com princípio de infarto

Um serra-talhadense enviou uma denúncia nesta segunda-feira, (dia 5), relatatando que no dia anterior, foi acometido de um princípio de infarto e junto com sua família foi encaminhado para o Hospital Regional Professor Agamenon Magalhães (Hospam), onde deveria receber cuidados médicos e atendimento de urgência e emergência, no entanto, foi vítima da negligência.

O autor o pediu para não se identificar. Confira na íntegra o desabafo do cidadão:

Negligência hospitalar: uma causa mortis

Ontem, 4 de fevereiro de 2018, tive um princípio de infarto e junto a minha família fui encaminhado para o Hospital Agamenon Magalhães (HOSPAM), local no qual deveria receber totais cuidados, já que a situação que eu me encontrava era inédita no decorrer da minha vida. É injustificável em uma cidade que (em boatos) se diz está em crescimento e num hospital que recebeu tanto investimento, haver apenas 1 (um) clínico geral para atender a uma grande demanda de pessoas.

É injustificável, também, a incapacidade de conscientização dos que dirigem esse hospital, ao ponto de não imaginarem ou não estarem preparados para um evento maior – obviamente que, a participação das pessoas lá é por estarem doentes ou sentindo algum enfermo.

Enquanto uns são atendidos, outros continuam quase que inertes e devem se manter como estão até que a sua vez seja apreciada.

Não sei o que aconteceu com os outros pacientes, mas sei e tenho lucidez que pessoas não devem ser tratadas apenas como números de fichas ou obituários (infelizmente). Fui minimamente atendido por um médico que estava apenas de passagem e me medicou também da mesma forma.

Investir em algo não quer dizer que trará algum benefício em nada. Pra que investir se não existe planejamento e não pensar em ideias que tragam melhorias?

Eu, como escrevi tudo isso, opina que em tudo que é público, é desnecessário aos que devem ser atendidas por algum sérvio. As pessoas são menosprezadas a cada minuto em nosso país (que não é nosso!) por falta de interesse e de querer; porque, tudo o que acontece aqui, é motivado por interesse político. É evidente essa situação. São entorpecentes as más gestões de políticas públicas. É imoral e antiética a atitude para com a população em descasos na área da saúde. E sobra pra quem essa conta de tantos obituários que continuarão a acontecer (infelizmente) por mau atendimento? Os pacientes se tornam vítimas!