Serra Talhada investe em Pesquisa Científica. Trabalhos auxiliam ensino básico

O acesso e permanência ao ensino de qualidade tem sido pauta em diversos seguimentos sociais. O motivo é a importância da Educação na formação do cidadão, como um possível meio de inserção na sociedade, além de ser um importante indicativo de desenvolvimento para países que buscam galgar maior desenvolvimento econômico e serem, reconhecidos por números estatísticos satisfatórios no que diz respeito ao bem-estar social.

Pensando nisso, Serra Talhada está na busca constante de investimentos que são fundamentais para o desenvolvimento da cidade, bem como contribuir para as diversas políticas públicas educacionais, no intuito de suprir as reais necessidades dos níveis da educação.

Tal busca, passa pela Educação Básica, que apenas este no de 2015, a professora Daniela Malta, da Escola Integral Cônego Tôrres, teve 6 Projetos de Pesquisas aprovados e colocados em prática, “mostrando que em Serra Talhada, professores da Educação Básica, também fazem pesquisas”.

Ainda de acordo com Daniela, “é possível trabalhar e inovar a educação com perspectivas que se fundamentam através de projetos de pesquisas didáticas, aplicadas junto ao plano de ensino e planejamento escolar”.

Dos seis trabalhos apresentados, alguns estão sendo vivenciados ainda este ano de 2015. “A ideia é que a aprendizagem, aliada aos bons resultados obtidos ao longo do tempo, sejam absorvidas pelos alunos do 9º ano, que vão se submeter a avaliações sistêmicas”, explica a professora.

Para o Secretário de Educação, Edmar Júnior, os investimentos e incentivos às práticas de pesquisa são fatores primordiais para que o aluno cresça, não só em conhecimento, mas também como ser humano.

“A educação integral favorece uma formação de conhecimento e humanística. É nesse contexto que os investimentos nas pesquisas, visando o melhor entendimento e aproveitamento do aluno, são de grande importância para construirmos pessoas e profissionais melhores”, disse Edmar.

Todos os trabalhos passam por um comitê científico, o que proporcionam aos professores a possibilidade de, também, fazer ciência com qualidade.