Reunião esclarece implantação do Canal da Cidadania e Fórum em Serra Talhada

Representantes, da sociedade civil, SEBRAE, Instituto Federal de Educação, FIS, CECOR, CDP, Fundação Cultural Cabras de Lampião, Professores de UAST, CDL, SIDCOM, Marias Artesãs, Grupo de Capoeira MUZENZA, do Mestre Nego e também do secretariado da Prefeitura Municipal de Serra Talhada, participaram da reunião de esclarecimento sobre a implantação do canal da cidadania (TV Educativa), na sala de conferência da Autarquia Educacional de Serra Talhada – AESET.

De acordo com o Secretário de Cultura, Anildomá Willans, o encontro marcou mais um passo na construção de políticas públicas para o setor do audiovisual.

“O encontro serviu de preparação para o I FORUM DE CULTURA, COMUNICAÇÃO E CIDADANIA visando a implantação do Canal da Cidadania em Serra Talhada”, disse o secretário.

De acordo com o portal Nayn Netto, a equipe do Ministério da Cultura exaltou a alegria de trazer para Serra Talhada o primeiro Canal da Cidadania, conseguido através de Edital. “Ficamos muito felizes ao ver o empenho da Prefeitura e a disponibilidade da Secretaria de Cultura e Turismo com sua equipe que atendeu todas as exigências necessárias para que esse projeto saísse do papel e chegasse para revolucionar, positivamente, Serra Talhada”.

O Fórum, vai acontecer entre os dias 31 de maio e 4 de junho em vários pontos da cidade, como a AESET, FIS, CEU das Artes, o teatro, o telecentro e a sala multiuso, Estação do Forró, e no Museu do Cangaço, a sala multimídia. Dentro da programação do Fórum serão apresentadas palestras sobre vários temas, oficinas e Rodas de Conversas.

canal da cidadania

Um Comentário

  • Enfim, a quadrilha está indo embora

    O Governo natimorto de Dilma entrou na contagem regressiva. A partir de hoje, faltam apenas sete dias para acabar a era petista, que durou 13 anos e cinco meses, resultando num tremendo mal ao País. Na linha de frente da oposição, que cumpriu com muita competência, diga-se de passagem, o PT pregou ética e moralismo.

    Chegando ao poder, não fez uma coisa nem outra. Exibiu um moralismo falso e jogou a ética no lixo. Esperança dos brasileiros que apostaram na mudança, o ex-presidente Lula, filho das desigualdades, não teve coragem para isolar a quem tanto combateu. Em campanha, disse que Sarney era um ladrão e que seu lugar era na cadeia. Governou os dois mandatos com Sarney, que continuou reinando absoluto no Maranhão.

    Chamou Collor de salafrário e corrupto. No segundo mandato, andou de braços dados com o ex-presidente que o PT promoveu o seu impeachment. Disse que o Congresso tinha 300 picaretas. Eleito, governou com todos os picaretas, alguns deles promoveu a ministro de Estado e, mais do que isso, deu carta branca a José Dirceu, fiel escudeiro e capitão do time, para comprar o voto do baixo clero na Câmara e no Senado com o mensalão.

    Dirceu virou o rei do aliciamento. Não discriminou nenhum assaltante. Não poupou nem quem tinha a estrela de corrupto na testa, como Roberto Jefferson e Pedro Corrêa. Quarenta ladrões foram condenados no mensalão. Até hoje, Dirceu continua vendo o sol nascer quadrado. O resto da história não precisa contar. O brasileiro, por mais alienado que seja, sabe como tudo isso acabou.