Preso baleado por PM na cadeia pública de Serra Talhada tentava arrancar portão para fugir e detento monitorado por tornozeleira eletrônica é detido assaltando no Centro da cidade

Um homem identificado por “Weverton”, 24 anos, abordou um estudante na na Rua Deputado Afrânio Godoy, no centro de Serra Talhada, no Sertão do Pajeú e anunciou o assalto usando uma faca peixeira, para exigir o celular da vítima, no final da tarde desta sexta-feira (28).

Um transeunte pediu socorro e o suspeito correu, sendo detido por policiais militares da Guarda Patrimonial. Os mesmos verificaram que o suspeito era monitorado por tornozeleira eletrônica. O mesmo foi conduzido e entregue na Delegacia de Polícia Civil de Serra Talhada.

Foto: Portal Nayn Netto

E um preso da cadeia pública do município foi baleado por um policial militar na última quinta-feira (27).  Segundo a Polícia Militar, os presos tentavam arrancar o portão da cadeia no momento do ocorrido.

Conta a polícia que os detentos estavam agredindo o policiamento com palavras ofensivas e, em dado momento, partiram em direção ao portão de acesso ao setor da guarda para arrancá-lo. Um sargento, então, deu dois disparos para o alto. Uma das balas teria ricocheteado na grade superior do pátio interno e atingindo um dos presos na mandíbula.

De acordo com a Polícia Militar, o ferido não corre risco de morte. A arma do sargento foi recolhida para perícia. Um inquérito policial militar foi aberto e os policiais ouvidos. A Delegacia de Polícia Civil da cidade recebeu o boletim de ocorrência do caso.

NOTA OFICIAL DA PMPE

A Polícia Militar informa que durante um início de motim na Cadeia Pública de Serra Talhada, quando presos começaram a agredir o policiamento com palavras ofensivas e, em dado momento, partiram em direção do portão de acesso ao setor da guarda, com intuito de arrancá-lo.

Um sargento, tomando por base o princípio da inferioridade numérica, deu dois disparos para o alto. Uma das balas ricocheteou na grade superior do pátio interno e atingiu um dos presos na mandíbula. Ele foi levado para o hospital e, segundo o médico que o atendeu, não corre riscos.

A arma do graduado foi recolhida para perícia e os PMs que estavam de serviço na cadeia já foram ouvidos pelo comando do Batalhão, que abriu Inquérito Policial Militar. Além disso, todo o procedimento foi encaminhado via Boletim de Ocorrência para a Delegacia de Polícia Civil da cidade.

Um Comentário

  • Por que um policial, no estrito cumprimento do dever legal e em defesa da Ordem Pública tem de ser submetido a inquérito por ter disparado sua arma para dissuadir ação iminente de marginais de alta periculosidade rebelados???!!!

    E olhe que o tiro nem matou o infeliz!!

    Muitos desses delinquentes são bandidos reincidentes e insuscetíveis de ressocialização. Praticam os mais diversos e hediondos tipos de crime, são detidos e presos, passam uma “temporada” no presídio, comendo, bebendo e vivendo às nossas custas. Após cumprirem uma parte da pena, progridem de regime e pouco tempo depois são liberados e voltam às ruas para novamente matar, roubar, estuprar, traficar até serem presos de novo, e o ciclo se repete. Fazem da cadeia uma colônia de férias.

    São bandidos vocacionados e irrecuperáveis, que já não conseguem mais se adaptar à vida em sociedade, que já não se prestam mais ao convívio social. São antes um peso para a sociedade, e um risco constante para nós outros, cidadãos de bem, que sobrevivemos de trabalho digno e honesto e respeitamos as leis.

    Num mundo como o nosso, onde os recursos naturais estão se escasseando, já passou da hora de exigirmos do legislativo federal a eliminação definitiva desses facínoras do nosso meio, pelo acréscimo no Código Penal brasileiro do instituto da pena de morte !!