Presa quadrilha responsável por cerca de 30% das explosões de bancos em PE. Detalhe: explosivos ficavam numa “pedreira” em Flores

Uma quadrilha suspeita de explodir mais de 10 bancos em Pernambuco, de maio a setembro deste ano, foi desarticulada em uma força-tarefa integrada das polícias Federal, Civil e Militar, no sábado (24). Os nove suspeitos (oito homens, com idades entre 19 e 59 anos, e uma mulher, de 20 anos) presos em Vertentes do Lério e Bom jardim, no Agreste, foram apresentados em uma coletiva nesta segunda-feira (26), na sede da PF, no Bairro do Recife.

Os arrombamentos foram realizados, durante os quatro meses, nas agências localizadas em Triunfo (07 de maio), Iguaraci (16 de junho), Lajedo (30 de junho), João Alfredo (5 de julho), Feira Nova (9 de julho), Orobó (12 de julho), Sanharó (19 de julho), Passira (23 de julho), Bom Jardim (3 de agosto) e Lagoa dos Gatos (7 de setembro). Com o grupo, a polícia apreendeu cinco espingardas, duas pistolas, explosivo, cordel detonante, grampos para soltar no asfalto e dificultar a perseguição policial, além de lanternas, furadeira serra-copos, celulares, casacos e coletes.

Segundo a polícia, a única mulher presente no grupo era amante do líder da quadrilha e irmã de um dos outros integrantes do bando. Ela ficava numa “pedreira”, no município de Flores, para despitar a verdadeira utilização dos explosivos.

A mulher foi encaminhada para a Colônia Penal Feminina Bom Pastor, no Recife, enquanto os homens presos foram levados para a Penintenciária Ênio Pessoa Guerra, em Limoeiro, no Agreste. A soma de todas as penas pode chegar a 364 anos de reclusão, devido à prática de crimes como organização criminosa armada, roubo, posse de explosivos, adulteração de veículo automotor e receptação de produtos roubados.