Prefeito de Serra Talhada age como se não fosse do PT e afaga adversários que no passado classificava de “golpistas”

O prefeito de Serra Talhada, Luciano Duque defende com todo vigor a candidatura da petista Marília Arraes para governar Pernambuco em 2019, mas rasgou elogios para governador Paulo Câmara, pré-candidato a reeleição, durante o ato da assinatura da ordem de serviço do Hospital Geral do Sertão (HGS), na quinta-feira (4).

 

Em um passado recente, Duque afirmou de punhos cerrados que não negociava nem dialogava com “golpistas”. A então presidente Dilma Rosself foi afastada e gestor contraditório levou o próprio Michel temer pra inaugurar uma obra que ele se quer sabia que existia (a unidade do IF na cidade) e agora vive de mãos dadas com o ministro de Temmer, Mendonça Filho. Veja a foto tirada por estudantes da Usat, eles ficaram indignados:

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas e pessoas em pé

“Que vergonha ter esse Golpista na nossa UAST. Foi inaugurar não sei o que… Sei que esperamos por isso há 10 anos ai fazem no recesso, claramente covardia. Sabia ele que com os/as estudantes e professores/as lá ele nem entraria, não sem levar ovada e vaias e XÔ MENDONÇA!”, completou Lika Souza.

“É uma contradição muito grande. O fato do cargo público lhe obrigar a passar por esse tipo de situação. O problema é que o cara gosta de botar o tapete vermelho”, disse o estudante de letras, Clóvis Silva.

Isso vem desde o início do ano, no dia 23 de janeiro, durante reunião do Consórcio de Integração dos Municípios do Pajeú (Cimpajeú), o petista enviou convite aos colegas prefeitos para inauguração do IF Sertão, com a presença de Temer. Veja o convite:

Em outubro de 2016, Luciano Duque criticava duramente o governo Temer: “Nesses primeiros quatro ou cinco meses que está governando a situação econômica está piorando. O PIB está descendo, a arrecadação está descendo e essa é uma preocupação de todos os nossos prefeitos hoje. Os governadores estão com o pires na mão pedindo ao governo federal que reveja a questão do tratamento que foi dado aos estado brasileiros”.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *