Monitoramento ambiental no São Francisco auxilia pesquisa sobre mudanças climáticas em Floresta

O acúmulo de informações científicas sobre o bioma caatinga no âmbito do Projeto de Integração do Rio São Francisco motivou uma parceria entre a Universidade de Lisboa e o Núcleo de Ecologia e Monitoramento Ambiental (Nema) da Universidade Federal do Vale do São Francisco (Univasf). O objetivo é aprofundar pesquisas sobre as mudanças climáticas em curso no planeta. A base de trabalho para os estudos é o monitoramento da biodiversidade da região, com investimentos do Ministério da Integração Nacional (MI).

O acompanhamento permanente por parte de equipes do Núcleo permite aferir como ocorre o fenômeno das mudanças climáticas na região do São Francisco, explica o coordenador Renato Garcia. “Utilizaremos dados coletados e analisaremos nosso inventário florístico com foco em uma determinada área. Vamos avaliar quais espécies têm maior e menor ocorrência, e o que isso representa”, pontua.

As mudanças climáticas no semiárido, acrescenta o coordenador do Nema, se dão com o agravamento da redução na quantidade de chuvas. Se o fenômeno se torna persistente, a vegetação pode sofrer alterações, como o desaparecimento de determinadas espécies e a expansão de outras. “A Universidade de Lisboa, há muito tempo, trabalha em análises nos semiáridos português e espanhol. Os pesquisadores possuem ferramentas e muito conhecimento”, garante. Renato Garcia lembra que, em Portugal, um terço do país está no semiárido.

Os estudos em parceria entre o Núcleo e a universidade portuguesa deverão se concentrar no município pernambucano de Floresta, ponto de partida do Eixo Leste do Projeto de Integração do Rio São Francisco. Segundo o coordenador, o nível de aridez no município é alto até mesmo para os padrões do semiárido nordestino.

Ações ambientais

O Projeto São Francisco é a maior obra de infraestrutura hídrica do país, construído para abastecer 390 municípios no Nordeste Setentrional. Paralelamente à execução das obras, o Ministério da Integração Nacional possui 38 programas ambientais que ajudam a reduzir os impactos da implantação do empreendimento e aprofundam o conhecimento da fauna e da flora do bioma caatinga e de aspectos arqueológicos e socioeconômicos da região.

São exemplos desse trabalho o reassentamento de famílias em vilas produtivas rurais e a criação do Nema e do Centro de Manejo e Monitoramento da Fauna da Caatinga (Cemafauna), em Petrolina (PE) – ambos pertencem à Univasf.

O Nema é a instituição responsável pelos projetos ambientais relacionados à preservação e à recuperação da flora nas áreas impactadas pelo empreendimento. O Cemafauna é utilizado para conservação e o manejo da fauna silvestre da caatinga. Cerca de R$ 1 bilhão em investimentos, quase 12% do orçamento global do projeto, é destinado às ações ambientais.