Meteorologista explica o que ocasionou a chuva de granizo em Flores

A chuva de granizo que caiu no município de Flores na tarde dessa terça-feira (23) não é um fenômeno natural tão comum no Sertão de Pernambuco. De acordo com o meteorologista Roni Guedes, da Agência Pernambucana de Águas e Climas (Apac), o tipo de nuvem que se formou teria possibilitado a formação dos cubos de gelo. “A gente analisou as imagens de satélite, indicando que as nuvens cúmulos nimbos, além do relevo da cidade, teriam possibilitado a formação do granizo”, explicou.

A alternância entre o tempo seco e a umidade baixa possibilitaram a ocorrência do fenômeno. “Esse tipo de acontecimento ocorre em regiões de alto relevo como no interior do Estado, que ajuda na formação de nuvens. Na Região Metropoltana do Recife, por exemplo, esse fenômeno não ocorre devido à altitude em relação ao nível do oceano”, afirmou Guedes.

Na terça-feira, segundo o meteorologista, a Apac registrou dez milímetros de chuva no município de Flores. Ele explica ainda que o mês de dezembro indica a previsão de chuva para os próximos quatro meses, período de intensidade de temporal no Sertão.

Apesar do fenômeno inusitado, o episódio já ocorreu no Estado pelo menos outras quatro vezes, desde 2011. Segundo o meteorolosgista, os municípios atingidos foram Chã Grande, Riacho das Almas e Bezerros, no Agreste, e Ouricuri, no Sertão.