Médico esclarece que não foi desrespeitoso com filha de paciente no Borborema, apenas foi mal recepcionado quando tentava cumprir com seu papel

O médico Tássyo Barros esclarece que a denuncia de uma moradora do Borborema descrita no blog está longe de ter alguma coerência com o ocorrido. Confira o esclarecimento:

“Tenho a consciência limpa que fiz e faço meu papel como médico e ser humano!

O ocorrido foi o seguinte: EU ESTAVA FAZENDO VISITAS A PACIENTES ACAMADOS OU DEBILITADOS, QUE NÃO PODEM IR AO POSTO DE SAÚDE. POR SINAL, ESTAVA CHOVENDO EU FAZENDO MEU SERVIÇO NA CHUVA.

A filha de um dos idosos me recebeu com uma cara de insatisfação, creio que pelo horário, pois o mesmo estava dormindo (meados de 8:30h).

Perguntei “como ele estava” TRÊS VEZES e ela não respondeu. Na QUARTA VEZ, insistentemente repetir a pergunta em um TOM MAIS PONTUAL e ela disse apenas que ele estava doente (sem nenhum detalhe do quadro).

Então eu disse que ela precisava ser mais atenciosa com o atendimento por que eu tinha outras casas pra visitar e precisávamos focar pra adiantar meu serviço. Ela não gostou do TOM que usei e me chamou de ignorante e perguntou se eu não tinha educação! Saiu da sala e me deixou sozinho com o idoso e a ACS (presente em todo momento).

Eu tentei conversar com o idoso/paciente, mas devido o quadro do mesmo, não tivemos condições continuar a consulta. Eu levantei, já chateado com toda frustração do ocorrido, concluir dizendo que infelizmente eu não tinha como continuar o atendimento pela falta de educação da filha dele. Ela não gostou e disparou por várias vezes que eu era ignorante e mal educado. Repliquei que ela não tinha educação e fui embora.

Jamais chamei de cavala ou usei termos pejorativos! Não falei em pagamento e muito menos em obrigações; disse que estava ali para fazer o bem e não pra ser tratado daquela forma.

Simplesmente eu estava ali pra fazer meu trabalho, fui mal recepcionado e não pude concluir meu atendimento! Não entendo os valores a que somos expostos hoje em dia. Fui procurado por familiares (seu filho e um parente) enfurecidos no turno da tarde, com tons de ameaça por ter “distratado”, onde deixaram recados que voltariam pra “tirar satisfação”.

Enfim, conclui me dispondo a esclarecimentos”, finaliza.

A denùncia causou indignação de vários internautas nos grupos de whatsapp que repudiaram o teor do fato é reafirmaram o compromisso e reputação do profissional. Uma das postagens chamou a atenção:

“Eu a poucos meses fui ao Hospam com uma inflamação no ouvido passei duas horas para ser atendida
Morrendo de dor chorando
Mas ao entrar foi o Sr. Dr Tassio quem estava lá
Profissional e atencioso assim para comigo e os demais
Não estou puxando saco e muito menos preciso disso
Estou falando como paciente
Pois já passei e vi muitos pacientes lá serem maltratados Por um Sr Que era Dr e n está mais entre nós
Que se fosse com ele eu ficaria de orelha em pé
Enfim…
Eu sei como são essas visitas pois a avó de meu esposo é uma senhora idosa e debilitada 98 Anos e tem atendimento em casa
Realmente é cedo
E tendo esse conhecimento a família se prepara para receber o profissional
A versão de Dr Tassio faz sentido e n duvido
Pois existem pessoas que acham OBRIGAÇÃO Mas n pensam Que pior seria se fosse a um hospital para tal atendimento
Tem gente folgada mesmo
Que por ver eles indo fazer a visita
É como se fosse no horário que bem entender
Não existe isso gente
É fato
Toda história existe dois lados
E isso seria bom a população mesmo filmar as visitas
Para publicar e agradecer isso sim”.