Impunidade, descaso do Estado e ação de menores de idade contribuem com a violência em Serra Talhada

Populares informam que mais de dez adolescentes “novinhos” estão assaltando constantemente em Serra Talhada. No entanto, há algumas semana atrás a sociedade serra-talhadense viu quantos foram apreendidos, mas pouco em nenhum foram levados para a Funase, em Arcoverde, ou seja, continuam soltos.

Em relação aos adultos a situação também é de impunidade. Um internauta questiona quantos estão presos ainda. “Dois foram presos na Paraíba, “Galo Cego” e “Marcelo”, ambos assaltando, fizeram refém numa residência, foram presos com armas, produto de roubo, etc. Isso com cerca de 15 dias. Já estão soltos, rodando aqui em Serra e praticando assaltos novamente”, questiona.

Ele questiona ainda que a justiça dá brechas para os bandidos. “Se fosse um pai de família desesperado que roubasse um pão para filho morria preso, ou se um pai de família que em legítima defesa matasse um mala desse ficaria preso, mas para os ladrões os direitos humanos caem em cima. Com um policial acontece o contrário”, desabafa.

Ainda cita como exemplo o cabo Valdevino e o sargento Luciano, do 14ºBPM. “Não tem prova concreta nenhuma contra os caras. Estão presos há mais de 01 ano. Um inquérito mal feito e cheio de falhas, mais estão segurando, como exemplos. Dois caras que trabalhavam duro pela nossa sociedade  que agora está a mercê da bandidagem”, toca na ferida.

O caso mais recente foi do Capitão Costa Brito, operacional e atuante, inclusive nas folgas, foi transferido de Serra Talhada para a região metropolitana. O governo do Estado atendeu um “pedido” durante uma reunião, indo de encontro aos apelos dos serra talhadenses que não queria a transferência. O clima de segurança não poderia estar diferente na cidade.

Os deputados governistas deveriam interceder para trazer mais efetivo para o 14ºBPM… Já foram formadas várias escolas de Soldados, o 14ºBPM não recebeu mais que 50 homens em todas essas escolas, ao contrário de Salgueiro, Petrolina e outros municípios. A questão da falta de IML que se arrasta há cerca de quantos anos já diz tudo.