Deputado serra talhadense pesquisa vontade do eleitorado sertanejo e se abstém na votação do impeachment

O deputado federal Sebastião Oliveira (PR), se licenciou da Secretaria dos Transportes para poder votar no processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, mas acabou se abstendo do voto com o seguinte justificativa:

“Sou um deputado do Sertão de Pernambuco, os sertanejos diferentes da região metropolitana, não comungam com a saída da crise, através do impeachment. Mas, também, o povo pernambucano sabe que em 2014 eu procurei uma outra opção para o Brasil, que foi acompanhar Marina Silva e Eduardo Campos. Hoje, em respeito ao meu partido eu vou me abster do voto”.

O assessor Sávio Godoy afirmou que foi feito uma pesquisa em Serra Talhada e que 68% dos eleitores são eram a favor de Dilma. Em Cabrobó são 70%, em Belém, 68%. A maioria das bases dele queria que ele votasse contra o impeachment.

“Eu recebi ligações de prefeito dele pedindo pelo amor de Deus que revisse a posição. Porque ia ficar difícil pedir voto se ele votasse contra Dilma” disse.

Como votou cada parlamentar de PE no impeachment:

Adalberto Cavalcanti (PTB) – Não

Anderson Ferreira (PR) – Sim

André de Paula (PSD) – Sim

Augusto Coutinho (SD) – Sim

Betinho Gomes (PSDB) – Sim

Bruno Araújo (PSDB) – Sim – Voto que aprovou o impeachment

Daniel Coelho (PSDB) – Sim

Danilo Cabral (PSB) – Sim

Eduardo da Fonte (PP) – Sim

Fernando Coelho Filho (PSB) – Sim

Gonzaga Patriota (PSB) – Sim

Jarbas Vasconcelos (PMDB) – Sim

João Fernando Coutinho (PSB) – Sim

Jorge Corte Real (PTB) – Sim

Kaio Maniçoba (PMDB) – Sim

Luciana Santos (PCdoB) – Não

Marinaldo Rosendo (PSB) – Sim

Mendonça Filho (DEM) – Sim

Pastor Eurico (PHS) – Sim

Ricardo Teobaldo (PTN) – Não

Sebastião Oliveira (PR) – Abstenção

Silvio Costa (PTdoB) – Não

Tadeu Alencar (PSB) – Sim

Wolney Queiroz (PDT) – Não

Zeca Cavalcanti (PTB) – Não

Com a aprovação da Câmara pela continuidade do processo de impeachment da presidente Dilma Rousseff, (clique no link anterior e leia) a próxima etapa é o encaminhamento do caso para o Senado. Levantamento de O Estado de S. Paulo mostra que já há 45 senadores favoráveis à abertura de processo por crime de responsabilidade. Vinte e um se declararam contrários. Seis parlamentares se disseram indecisos e 9 não quiseram se manifestar. Para que o processo seja admitido e aberto no Senado são necessários 41 votos.

A senadora Ana Amélia (PP-RS) é, hoje, o nome mais cotado para presidir a Comissão Especial que avaliará o caso. Ela já se declarou a favor do impeachment. Ministros do “núcleo duro” do Planalto calculam que o governo tem, hoje, 28 dos 81 votos no plenário.

No levantamento, o PSDB é o partido com a maior quantidade de senadores favoráveis ao afastamento da petista, com 11 nomes. Já no PMDB, do vice-presidente Michel Temer, nove se declararam a favor do processo, três contra, três se disseram indecisos e três não quiseram se manifestar. Na Casa, o PT é o único partido no qual todos os parlamentares são contrários ao afastamento da petista.

Um Comentário