De 35 municípios, apenas dez comparecem a reunião XI GERES em ST

 rEUNIÃO gERES

Apenas 10, dos 35 municípios enviaram representantes para a reunião na sede da XI GERES (Gerência Regional de Saúde) na Rua Antônio Alves de Oliveira, 2380, Bairro do Ipsep, em Serra Talhada.

O caderno 1 avaliou que o esvaziamento pode ser proposital, já que existe uma celeuma entre os municípios desta macrorregião quanto à operacionalização do SAMU. Serra Talhada afirma ter feito sua parte e que o pleno funcionamento do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência depende também dos demais municípios. O prefeito Luciano Duque (presente ao evento) diz que falta as demais cidades aprontarem as centrais de comunicação. O esvaziamento do encontro, poderá ter acontecido exatamente para fugir do comprometimento, nenhum outro prefeito, além de Duque, compareceu a reunião e 25 cidades sequer mandaram representantes.

Reunião Geres 1

Cada município sabe das suas competências e responsabilidades”, disse Luciano para os secretários de Saúde presentes. O Dr. Clóvis Carvalho mandou o recado (para os gestores) através dos presentes, dizendo que “Os municípios precisam assumir as responsabilidades e suas despesas”. E se a intenção dos prefeitos das demais cidades for pressionar Serra Talhada a assumir tudo sozinha, isso não acontecerá, quem garante é Aron Lourenço, Secretário Executivo de Saúde da capital do xaxado: “Podem ter certeza que não vamos cometer um suicídio, como assim aconteceu em Caruaru e Petrolina, onde municípios assumiram sozinhos as responsabilidade e acabaram contraindo um endividamento extraordinário, isso não se repetirá aqui”.

Além do SAMU, foram debatidas também as questões do HOSPAM, cirurgias eletivas, saúde mental, atenção à saúde/atenção primária, PNI (Programa Nacional de Imunização), vigilância em saúde, regulação-monitoramento entre outros.

JOGO DE CENA

Para aqueles que acompanham mais diretamente a celeuma, a postura do Governo de Serra Talhada é puro jogo de cena, uma vez que, comenta-se nos bastidores, o próprio Luciano Duque trabalha para que o funcionamento não aconteça tão logo, tendo em vista o alto custo que sua gestão terá, estimada em 1 milhão de reais mensal. Mesmo assim na reunião de hoje o prefeito disse que o projeto do SAMU é viável.

Nós temos alinhamento com a secretária executivo do ministério da saúde, Ana Paula Menezes Sóter,  que já foi assessora de Humberto (Costa) e que já foi diretora de Planejamento da Secretaria Estadual de Saúde de Pernambuco, e esta nos garantiu que a atenção com esta região será especial”, disse Duque, afastando a hipótese de que os municípios, incluindo Serra Talhada, estejam fazendo corpo mole temendo possíveis atrasos por parte do Governo Federal, já que o SAMU é tripartite, sendo 25% dos recursos oriundos do município, 25% do estado e 50% do governo federal.