Assembleia da Polícia Civil de Pernambuco decide rumos da categoria e anunciam Outubro de Mobilização com paralisações pelo Estado

2Na noite desta quarta-feira (2), na sede do Sindicato dos Policiais Civis de Pernambuco, aconteceu uma importante Assembleia Geral da categoria. Focados nos rumos das mobilizações, que busca melhores condições de trabalho para atender a população pernambucana, cerca de 500 policiais lotaram o auditório do Sinpol para decidir os próximos passos dessas ações.

A assembleia decidiu continuar forte com a Operação Polícia Cidadã e também intensificar a Patrulha Sindical, que vai percorrer, agora em Setembro, delegacias e institutos da polícia civil para fortalecer ainda mais a categoria.

O presidente do Sinpol, comentou sobre o desrespeito que o Governo de Pernambuco vem conduzindo o processo de negociações e como está a situação da Polícia Civil em todo Estado. Segundo Áureo Cisneiros, 450 agentes e escrivães participaram das deliberações, incluindo cerca de 50 do Interior, oriundos de Afogados da Ingazeira, Araripina, Caruaru, Floresta, Garanhuns, Goiana, Palmares e Santa Cruz do Capibaribe.

“Não vamos recuar! Vamos continuar forte no movimento. O Estado está querendo que a gente trabalhe de uma forma improvisada. Não dá para trabalhar sem as mínimas condições para exercer bem as nossas funções. As delegacias estão desprotegidas. Em Sertânia, neste final de semana, uma delegacia foi arrombada e por pouco não aconteceu algo pior. Os bandidos sabem que em grande parte das delegacias, apenas um policial está ficando no local e sem equipamentos adequados para se defender. Grande parte dos coletes está vencida” comentou o presidente do Sindicato.

O Sinpol decidiu entrar com um documento para reabrir as negociações com o Governo de Pernambuco, mostrando que a categoria está disposta a dialogar. “Vamos aguardas e ouvir o que o Estado pretende com essa falta de atenção pelas nossas reivindicações. Estamos organizando um movimento que estamos chamando de Outubro das Mobilizações, caso o Governo continue fechando os olhos para a caótica situação da Polícia Civil e da Segurança Pública de Pernambuco”, disse Áureo.